Área Restrita
Destaque
enade

Notícias

Começaram as inscrições para o Fies
04/08/2015

Começaram as inscrições para o Fies

Começaram ontem (3) as inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Ao todo, serão ofertadas 61,5 mil vagas. O período de inscrição vai até o dia 6, pela internet. A partir desta edição, passam a valer as novas regras do Fies. Os juros passarão dos atuais 3,4% para 6,5% e os estudantes pagarão parte da mensalidade, de acordo com a renda. Como contrapartida, os participantes do Fies terão um desconto de 5% nas mensalidades. Para concorrer, os estudantes precisam ter tirado pelo menos 450 pontos na média das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). São aceitas todas as edições do Enem a partir de 2010. O candidato também tem que ter tirado nota maior que na redação. Além disso, precisa ter renda familiar por pessoa de até 2,5 salários mínimos por mês, ou seja, R$ 1.970. A oferta de vagas vai priorizar cursos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, excluído o Distrito Federal. Os cursos das áreas de engenharia e saúde e a formação de professores também serão priorizados, assim como aqueles com conceitos 4 e 5 na avaliação do Ministério da Educação (MEC), que vai até 5. Com as novas normas, os financiamentos não serão concedidos por ordem de inscrição, mas por concorrência. Dessa forma, os candidatos não precisam ter pressa para acessar o sistema. O resultado da pré-seleção será divulgado no dia 10 de agosto, em chamada única. Os estudantes pré-selecionados deverão concluir a inscrição na internet e completar o processo no estabelecimento de ensino e na instituição financeira. Quem não for pré-selecionado passa a integrar a lista de espera. RENOVAÇÕES - Além das novas inscrições, os estudantes que já têm o financiamento devem fazer o aditamento dos contratos. O prazo começa dia 10 e, para esses estudantes, vai até o dia 31 de outubro. As renovações devem ser feitas a cada seis meses. Os estudantes que, por alguma razão, não renovaram os contratos no prazo estipulado no semestre passado terão a chance de fazê-lo também a partir do dia 10. O prazo para que os estudantes fizessem o aditamento dos contratos vigentes no primeiro semestre terminou no último dia 20, após ser prorrogado mais de uma vez. Segundo o MEC, menos de 100 mil estudantes não renovaram o financiamento no primeiro semestre. O Fies é um programa do governo que oferece financiamento em instituições privadas de ensino superior com juros mais baixos. Atualmente, cerca de 2,1 milhões de contratos estão ativos. Fonte: Agência Brasil 0

Após balanço final, Enem 2015 registra 7,7 milhões de candidatos
03/08/2015

Após balanço final, Enem 2015 registra 7,7 milhões de candidatos

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) divulgou na tarde desta sexta-feira (31) o número final do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2015. Após as confirmações de pagamento, o exame contará com 7.746.057 candidatos. O índice representa uma queda de quase 1 milhão de inscrições confirmadas em relação ao ano passado, quando a prova contou com 8.722.356 candidatos. A maioria dos candidatos confirmados já concluiu o ensino médio (4.491.820). Em segundo lugar, estão aqueles que concluirão o ensino médio em 2015 (1.649.807). Dentre os confirmados, a grande maioria é isenta de pagamento (74%). O sudeste é a região do país que concentra o maior número de candidatos confirmados; são mais de 2,8 milhões. Em seguida, estão o nordeste (2,4 milhões) e o sul (915 mil). São Paulo é o Estado com o maior número de participantes. Serão 1.253.928, ao todo. Ele é seguido de Minas Gerais, com 870.384 estudantes, e Bahia, com 582.856. As provas do Enem serão aplicadas nos dias 24 e 25 de outubro. No primeiro dia, serão aplicadas as provas de ciências humanas e ciências da natureza. No segundo, serão os exames de linguagens, códigos e suas tecnologias, matemática e redação. Nos dois dias, as provas começam às 13h30 (horário de Brasília), com abertura dos portões às 12h. Fonte: UOL Educação

MEC lança portal para receber sugestões no ensino básico
31/07/2015

MEC lança portal para receber sugestões no ensino básico

O Ministério da Educação (MEC) lançou hoje (30) o site da Base Nacional Comum Curricular (BNC) – plataforma ampla para receber sugestões de organizações, redes de ensino e da sociedade em geral para a definição do que os alunos do ensino básico devem aprender ano a ano. No dia 15 de setembro, a pasta divulgará oficialmente a proposta preliminar para, a partir dela, coletar sugestões até o dia 15 de dezembro pelo endereço http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. A BNC vai dar a maior transparência possível sobre os conhecimentos que todos os estudantes devem ter, da creche ao ensino médio, detalhando o que devem aprender. O site reúne documentos teóricos, vídeos com especialistas e autoridades. É possível também ter acesso ao currículo adotado em cada estado e no Distrito Federal. "Sem a base fica difícil rever a formação de professores, fica difícil, para não dizer impossível, pensar no material didático", diz o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro. O ministro espera concluir a BNC até março do ano que vem e enviá-la ao Conselho Nacional de Educação (CNE). "A base se tornou pivô de várias ações e pré-requisito de várias medidas necessárias para melhorar a educação brasileira", acrescenta. O portal já está no ar. A partir de segunda-feira (3), o MEC entrará em contato com as organizações para que façam o cadastro no site e participem da elaboração da base. A partir da divulgação da proposta preliminar, o portal estará aberto para as contribuições. A recomendação é que as redes de ensino, os movimentos sociais, entidades classistas e demais grupos enviem propostas já organizadas, que os represente. Já as contribuições individuais serão consolidadas pelo MEC. O site permite que os colaboradores enviem arquivos e que professores compartilhem, por exemplo, aplicações em sala de aula do que estão defendendo para a BNC. A definição de uma base comum curricular é uma das estratégias que constam no Plano Nacional de Educação (PNE), sancionado no ano passado pela presidenta Dilma Rousseff. O PNE estabelece metas e estratégias para os próximos dez anos, de modo a melhorar a educação. Um grupo de 116 especialistas debate no MEC a versão preliminar da BNC, que será colocada para consulta. Depois de consolidada, a proposta da base será enviada ao CNE para avaliação. Depois disso, retorna ao ministério para ser homologada. O prazo para que seja enviada ao CNE é junho de 2016. Fonte: Agência Brasil

País terá que investir até três vezes mais para ter ensino de qualidade
30/07/2015

País terá que investir até três vezes mais para ter ensino de qualidade

O Brasil terá que aumentar em até três vezes o valor investido por aluno na rede pública para garantir educação com padrões mínimos de qualidade, de acordo com a Campanha Nacional pelo Direito à Educação, rede que reúne mais de 200 organizações. Esse cálculo significa R$ 37 bilhões a mais no sistema educacional público, que engloba 40,7 milhões de matrículas. A etapa educacional que mais necessita de investimentos é a creche, que atende a crianças até 3 anos de idade. O valor ideal seria R$ 10 mil por aluno para o atendimento em tempo integral. Atualmente, segundo dados divulgados pela campanha, são gastos R$ 3,3 mil, com base nos valores do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb). O investimento calculado pela campanha corresponde ao Custo Aluno-Qualidade inicial (CAQi), instrumento criado pela própria organização e incorporado ao Plano Nacional de Educação (PNE). O CAQi define quanto deve ser aplicado para cada aluno ter acesso a uma educação com um padrão mínimo de qualidade. Entram no cálculo recursos para infraestrutura, materiais e equipamentos, além do salário dos professores. A implantação do Custo Aluno Qualidade (CAQ) faz parte das estratégias para alcançar o investimento de pelo menos 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação até 2024. Pela lei, o CAQi deve ser implementado em até dois anos de vigência da lei, no final de junho de 2016. Atualmente, o investimento é de 6,6% do PIB. VALORES - A tabela divulgada pela campanha atualiza os valores para todas as etapas de ensino. Entre as matrículas em tempo integral, na pré-escola, o valor por aluno deveria ser R$ 5 mil, contra os atuais R$ 3,3 mil; no ensino fundamental e no médio, R$ 4,8 mil, contra R$ 3,3 mil atuais. A educação indígena e quilombola deveria subir dos atuais R$ 3,1 mil para R$ 6,1 mil por estudante. “Os dados mostram que as matrículas que o Brasil menos investiu ao longo da história, como creche, educação quilombola e indígena, demandam mais recursos”, diz o coordenador geral da campanha, Daniel Cara. Ele acrescenta que, além das matrículas existentes, o Brasil tem de incluir 2,8 milhões de crianças e jovens na escola e isso custará mais de R$ 13 bilhões nos anos iniciais para garantir a infraestrutura e R$ 13 bilhões a mais por ano para manter esses alunos. “Os dados trazem a clareza de que praticamente todas as matrículas do Brasil, salvo os estados mais ricos, precisam de complementação da União para atingir um padrão mínimo de qualidade. Essa é uma agenda que vai ter que ser discutida”, diz. Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) de 2014, obtidos por requerimento de informação pelo senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), mostram que a União contribui com 18%, os estados, com 40%, e os municípios, com 42% do investimento direto aplicado em educação. Para o cálculo do CAQi, a campanha usou os recursos previstos em parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) de 2010, que não foi homologado pelo Ministério da Educação (MEC). O documento final da Conferência Nacional de Educação (Conae), que reuniu especialistas, organizações e Poder Público, estabelece que o CAQi seja regulamentado nos moldes do parecer do CNE. O MEC, no entanto, discute o CAQi e o CAQ em grupo formado por secretarias da pasta, pelo Inep e pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Em junho, à Agência Brasil, o secretário de Articulação com os Sistemas de Ensino do MEC, Binho Marques, disse que o grupo levanta dados sobre insumos e custos da educação básica e que o CAQ poderá não seguir exatamente o que está no parecer do CNE. Até setembro, o trabalho do grupo deverá ser colocado em discussão. Fonte: Agência Brasil

Professores do Athenas Grupo Educacional iniciam mestrado em Taubaté.
29/07/2015

Professores do Athenas Grupo Educacional iniciam mestrado em Taubaté.

Por meio de convênio assinado no último dia 26 de junho entre o Athenas Grupo Educacional e a Universidade de Taubaté (UNITAU), 59 pessoas, entre professores e coordenadores, estão participando das primeiras atividades do mestrado profissionalizante em Gestão e Desenvolvimento Regional, e Ciências Ambientais. As atividades estão sendo realizadas nas dependências da UNITAU, situada no município da Taubaté (SP). Do total de participantes, 29 fazem parte do curso de Gestão e Desenvolvimento Regional e 30 em Ciências Ambientais. De acordo com o Diretor Geral do Athenas Grupo Educacional, Professor Dr. Aécio Alves Pereira, a parceria é fruto de uma política que tem como objetivo proporcionar um grande crescimento qualitativo na formação dos alunos das faculdades que compõem o Athenas. “Temos investido fortemente já há alguns anos na infraestrutura e temos conseguido excelentes resultados graças à esta política. Esta parceria firmada hoje é um novo cenário que se desenvolve de maneira muito positiva para todos os envolvidos. Nossos professores estarão melhores capacitados, as faculdades terão avaliações melhores junto aos órgãos reguladores e, o mais importante, nossos alunos terão uma formação acadêmica de um nível cada vez mais alto. Isso tudo graças a semente que estamos plantando hoje em parceria com a UNITAU”, enalteceu Dr. Aécio Alves Pereira. CRONOGRAMA DE AÇÕES - Módulo 1: 27/07/2015 a 06/08/2015; Módulo 2: 30/11/2015 a 10/12/2015; Módulo 3: 11/04/2016 a 20/04/2016 e Módulo 4: 25/07/2016 a 04/08/2016. Local: UNITAU. Seminário 1: 06, 07 e 08/10/2016; Seminário 2: 26, 27 e 28/01/2017; Seminário 3: 05, 06 e 07/04/2017. Local: UNIJIPA. Qualificação e Defesa serão realizadas na UNITAU.

Vamos entender mais sobre as Hepatites Virais?!
29/07/2015

Vamos entender mais sobre as Hepatites Virais?!

As hepatites virais são doenças infecciosas sistêmicas que afetam o fígado. Cinco diferentes vírus são reconhecidos como agentes etiológicos da hepatite viral humana: o vírus da hepatite A (HAV), o vírus da hepatite B (HBV), o vírus da hepatite C (HCV), o vírus da hepatite D ou Delta (HDV) e o vírus da hepatite E (HEV). Com exceção do HBV, que possui genoma DNA, todos os demais são vírus RNA. Embora apresentando diferenças quanto ao tipo de genoma viral, estrutura molecular e classificação taxonômica, estes cinco agentes etiológicos têm o fígado como alvo primário e causam um processo necroinflamatório característico: a "hepatite". Náusea, vômitos, mal-estar, dor-de-cabeça, e perda do apetite são os sintomas mais frequentes na fase inicial da doença. Colúria (urina escura) e acolia (fezes esbranquiçadas) antecedem a fase ictérica (pele e olhos amarelados) que, em geral, coincide com alteração das provas de função hepática. As hepatites A e E são transmitidas pela via orofecal e causam infecções agudas benignas, que evoluem para a cura sem necessidade de tratamento específico. As hepatites B, C e D podem evoluir para a hepatite crônica, que tem como principais complicações a cirrose e o carcinoma hepatocelular. HEPATITE A - transmissão oro-fecal, por água e alimentos contaminados ou contato pessoal com pessoas infectadas. O vírus da hepatite A tem distribuição mundial e apresenta maior disseminação em áreas onde são precárias as condições sanitárias e de higiene da população. Nestas áreas, a hepatite A apresenta-se como uma doença típica da infância. Com a melhoria das condições socioeconômicas, os adultos jovens constituem o grupo mais susceptível à infecção. HEPATITE B - via primária de transmissão é a parenteral, por contato com sangue e hemoderivados. É também transmitida por contato sexual e de mãe infectada para o recém-nascido (durante o parto ou no período perinatal). Grupos de alto risco incluem os usuários de drogas injetáveis, homossexuais/heterossexuais com múltiplos parceiros. HEPATITE C - a forma mais comum de transmissão é a parenteral, por exposição percutânea direta ao sangue, hemoderivados ou instrumental cirúrgico contaminado. Receptores de sangue e derivados, usuários de drogas injetáveis, pacientes de hemodiálise e profissionais de saúde (vítimas de acidentes pérfuro-cortantes) apresentam alto risco de infecção pelo HCV. HEPATITE D - O agente Delta é um vírus defectivo que precisa, para sua replicação e expressão, da função auxiliar do vírus da hepatite B. A forma de transmissão é similar à da hepatite B. A hepatite D apresenta caráter endêmico nas regiões de alta prevalência para a hepatite B, onde a transmissão se dá principalmente por vias não-parenterais (vertical ou por contato pessoal). Nos países apresentando baixa prevalência para a hepatite B, a infecção pelo vírus Delta ocorre principalmente entre os usuários de drogas injetáveis e os hemofílicos. HEPATITE E - a forma mais frequente de transmissão é por ingestão de água contaminada; menor probabilidade de transmissão por contato pessoa. O vírus da hepatite E (HEV) assim como o da hepatite A, causa uma infecção benigna que não evolui para a forma crônica. Os casos mais graves são observados entre as gestantes: 20% das que contraem o HEV evoluem para a forma fulminante, fatal em 80% dos casos. O diagnóstico laboratorial das hepatites virais inclui as provas da função hepática e a pesquisa de marcadores sorológicos específicos (antígenos e anticorpos). Testes complementares para a detecção direta do genoma viral podem ser necessários para confirmação diagnóstica, determinação do genótipo infectante ou monitoramento da resposta à terapia antiviral. As medidas preventivas incluem o saneamento básico, as boas práticas de higiene pessoal, o uso de preservativos, o uso de agulhas e seringas descartáveis, o não compartilhamento de objetos pérfuro-cortantes (barbeadores, instrumentos de manicure/pedicure e etc.). Já existem vacinas para as hepatites A e B; esta última pode ser adquirida nos postos de saúde da rede pública. Indivíduos infectados pelo vírus da hepatite B têm 5% a 10% de risco de tornarem-se doentes crônicos. Na hepatite C, o risco é de 85%. O tratamento das hepatites B e C é feito com agentes antivirais, com 70% e 35% de sucesso, respectivamente.

29/07/2015

Estudantes que não renovaram o Fies poderão fazê-lo a partir de 3 de agosto

Os estudantes que têm empréstimos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) que, por alguma razão, não renovaram os contratos no prazo estipulado terão a chance de fazê-lo a partir do dia 3 de agosto. A informação está em nota divulgada pelo Ministério da Educação (MEC). O prazo para que os estudantes fizessem o aditamento dos contratos vigentes no primeiro semestre terminou no último dia 20, após ser prorrogado mais de uma vez. Segundo o MEC, dos 1,9 milhão de contratos, menos de 100 mil não renovaram o financiamento. Esses estudantes ainda terão a chance de fazê-lo durante o período de renovação do segundo semestre. A pasta divulgará nesta semana um balanço das renovações. O Fies é um programa do governo que oferece financiamento em instituições privadas de ensino superior com juros mais baixos. Atualmente, cerca de 2,1 milhões de contratos estão ativos. No segundo semestre, serão disponibilizadas mais 61,5 mil vagas. Fonte: Agência Brasil

29/07/2015

Incentivo ao Parto Normal: A importância do pré-natal

Todo mundo já ouviu falar que gravidez não é doença. Porém, essa afirmação não descarta a necessidade de acompanhamento pré-natal durante os nove meses de gestação. Ao descobrir que está esperando um bebê, é importante que a mulher busque uma equipe profissional para acompanhá-la até o nascimento da criança. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente os exames do pré-natal, que podem detectar e prevenir complicações. Por meio da coleta de sangue e de urina, é possível identificar doenças como hepatite B, HIV, sífilis, toxoplasmose, diabetes e infecção urinária. Os exames mínimos preconizados para todas as gestantes durante o pré-natal são: tipo sanguíneo e fator Rh, hematócrito, hemoglobina, glicemia de jejum, eletroforese de hemoglobina, exame para toxoplasmose, Hepatite B, exame de HIV, exame de sífilis, exame de urina e urocultura, e exame Coombs indireto (caso a mulher seja Rh negativo). As mulheres que moram na Região Amazônica também devem realizar exame para malária. É importante que em todas as consultas de pré-natal o profissional de saúde verifique o peso e a pressão arterial da gestante, e se há sinais de anemia e inchaço. A partir da 12ª semana de gestação, o profissional também deverá medir a barriga da mulher e ouvir as batidas do coração do bebê. O profissional de saúde também irá avaliar as vacinas da gestante, orientar a vacinação e prescrever medicações, caso necessário. Ele também deverá registrar todas as informações do acompanhamento do pré-natal (vacinas, resultado dos exames, exame físico) no Cartão da Gestante. Esse documento permite que a gestante carregue sempre todas as informações referentes ao seu pré-natal, o que é muito importante para o acompanhamento da equipe responsável pelo parto e para o caso de emergências. O pré-natal também é o momento perfeito para as mulheres grávidas, suas parcerias e familiares partilharem experiências e tirarem suas dúvidas sobre todas as etapas da gravidez, inclusive sobre o parto, nas consultas, rodas de conversa e grupos de gestantes, onde poderão receber dicas e informações dos profissionais de saúde e trocar experiências com outras mulheres. O total de consultas deverá ser de, no mínimo, 6 (seis), com acompanhamento intercalado entre médico e enfermeiro. Sempre que possível, as consultas devem ser realizadas conforme o seguinte cronograma: Até 28ª semana – mensalmente; Da 28ª até a 36ª semana – quinzenalmente; Da 36ª até a 41ª semana – semanalmente. A maior frequência de visitas no final da gestação visa à avaliação do risco perinatal e das intercorrências clínico-obstétricas mais comuns nesse trimestre, como trabalho de parto prematuro, pré-eclâmpsia e eclâmpsia, amniorrexe prematura e óbito fetal. Não existe “alta” do pré-natal antes do parto. Fonte: SUS / Promoção da Saúde

28/07/2015

[EDITAL] 3° Ciclo Científico da FSP

A Faculdade São Paulo (FSP) informa oficialmente que o período de inscrições para o 3° Ciclo Científico da FSP será de 18 a 27 de agosto, com data máxima para pagamento da taxa de inscrição até o dia 04 de setembro. O artigo poderá ser enviado até o dia 30 de setembro, com as apresentações sendo realizadas nos dias 28, 29 e 30 de outubro, nas dependências da instituição. Clique aqui e acesse o edital. Clique aqui e acesse o regulamento.